sexta-feira, 6 de março de 2009


Oficina de Produção de Texto


As atividades propostas nesta apostila não devem ser encaradas como um método para a produção de textos – o nome “redação” cria traumas - , mas sim como estratégias desbloqueadoras para escrever com prazer. Caso você deseje aceitá-las, deve evitar as seguintes situações:

· fixar número de linhas para o trabalho escrito;

· oferecer temas frios e batidos;

· propor temas livres;

· propor temas dissociados da realidade cultural do aluno;

· hipervalorizar os “erros de natureza normativa” (a princípio, o erro é uma tentativa de acerto; é legal, então, mostrar esses “erros” ao aluno, apresentando-lhes sugestões de correção);

· exigir que um texto produzido em 30/40 minutos já seja o texto definitivo; ele é apenas um rascunho;

· desvalorizar o texto produzido pelo aluno.

Bom, se você tem esse material em mãos e está lendo, acredito, então, que você seja integrante do grupo de profissionais que pensam que a educação brasileira ainda não é uma questão falida. Assim, acredito na sua criatividade profissional, certo de que você irá usar / rejeitar e/ou enriquecer e adaptar as atividades apresentadas, considerando a realidade do seu aluno.

Num primeiro momento, é possível que você considere tudo muito esquisito, sem sentido, meio louco, o que demonstra que você é um ser humano normal. O elemento novo assusta e, às vezes, é rejeitado. Depois vem a curiosidade e, então, você começa a perceber o rendimento da educação lúdica.

Não tenho a intenção de subvalorizar a gramática normativa, todavia, qualquer conhecimento teórico nesse campo será inútil se o aluno não consegue produzir um texto, se expressar, de maneira clara, através das palavras. A NGB tem sua importância, é claro, mas de nada adiantaria o nosso aluno conhecer toda a nomenclatura da sintaxe, por exemplo, se ele não consegue organizar suas idéias formando um texto. Primeiro o texto, depois a gramática.


Isac Machado de Moura



Explorando a oralidade e o gestual

ATIVIDADE 01

· Todos em pé e de olhos fechados;
· Ao som de uma música lenta, preferencialmente, orquestrada, mexer com o corpo com as pernas presas ao chão;
· Ao som de uma música mais rápida, mexer todo o corpo;
· Abrir os olhos e caminhar pela sala;
· Escolher um companheiro e cumprimentá-lo de maneira formal, informal, indiferente, falsa e amistosa (o ideal, aqui, é que estes cumprimentos sejam feitos por uma dupla de cada vez para que os demais observem).

ATIVIDADE 02

· Duplas: sentar um de frente para o outro. Um dirá SIM e o outro NÃO, fazendo modulações.

ATIVIDADE 03

· Duplas: sentar de frente para o companheiro e começar a conversar, todas as duplas ao mesmo tempo; investigar tudo aquilo que a outra pessoa é, gosta ou não gosta; depois (uma dupla de cada vez) um assume o outro, começando com MEU NOME É...

ATIVIDADE 04

· Propor um tema para discussão em dupla: um companheiro é contra e o outro é a favor (política, escola, criança, trabalho doméstico, religião, música, cinema, televisão, etc..). Os dois integrantes de cada dupla falarão ao mesmo tempo como se fosse uma discussão (aqui, o importante são os argumentos que cada um apresentará para defender sua “opinião”).

ATIVIDADE 05

· Cada companheiro deverá escolher um tipo social; sem utilizar a fala, fará a representação, e o grupo tentará reconhecer a profissão escolhida.

ATIVIDADE 06

· Cada companheiro contará um caso engraçado que lhe tenha acontecido (pode ser fictício).

ATIVIDADE 07

· Cada companheiro falará uma palavra negativa (não gosta) e uma positiva (gosta) e explicará ambas as escolhas.


ATIVIDADE 08

· Vamos cantar? Após, cada companheiro (ou grupo, conforme o número de participantes) interpreta a letra da música.

ATIVIDADE 09

· Ao som de uma música lenta, preferencialmente, orquestrada, procurar reproduzir com seu corpo o movimento de uma folha sendo levada pelo vento.

ATIVIDADE 10

· Imaginar a seguinte situação: você está dirigindo seu carro e avista uma praia deserta. Para o carro, leva a chave e resolve tomar banho sem roupas. Entra na água e experimenta a sensação gostosa do contato da água com seu corpo. Quando você retorna ao local em que deixara a roupa, percebe que a mesma foi roubada. O que você falaria, pediria ou faria?


Explorando a Escrita


ATIVIDADE 01

· O dinamizador divide a turma em grupos e espalha gravuras desconexas (de 05 a 08 gravuras) e solicita a formação de uma seqüência. Posteriormente, oralmente ou por escrito, o grupo forma uma história e lê para os outros companheiros.

ATIVIDADE 02

· Distribuir folhas para todos. Cada um deverá produzir uma palavra gráfica; prender no quadro para que cada companheiro observe a produção dos outros. Em seguida, dividir a turma em grupos e, a partir das palavras obtidas, deverá ser formado um texto.


ATIVIDADE 03

Brincando com a palavra

· Material: folha de papel grande e caneta.

· Divididos em grupos, os alunos pensam numa palavra muito importante para cada um e escrevem-na num papel;

· Todos leem, em voz alta, as palavras escritas e, em comum acordo, cada grupo seleciona uma delas para usar na atividade;

· O dinamizador pede que escrevam em maiúsculas e no centro da folha o tema escolhido. Um tempo é estabelecido (15 a 20 minutos) para que os componentes registrem, sob forma de diagrama, o maior número de palavras que mantenham relações de sentido com aquela que foi escolhida. Ganha o jogo o grupo que apresentar o maior número de palavras.


ATIVIDADE 04

Inventando propagandas

· Anunciando sabonete – cada grupo deverá criar um pequeno texto comercial, promovendo a venda de sabonete, mas sem usar as seguintes palavras (nem sinônimos e derivados): banho, suave, higiene, sabonete, beleza, espuma, perfume, corpo, limpeza, fragrância.

· Anunciando xampu: como no anterior, o grupo não poderá usar as seguintes palavras: cabelo, macio, água, banho, chuveiro, condicionador, xampu.

· Anunciando pasta de dentes: como no anterior, o grupo não poderá usar as seguintes palavras: dentes, hálito, pasta, refeições, refrescante, cáries, dentrifício, boca, sabor, flúor, escova, dia.

Obs.: Conforme o número de participantes, o dinamizador poderá sugerir outros produtos ou permitir que mais de um grupo escolha o mesmo produto.

ATIVIDADE 05

Brincando com os provérbios – esta atividade pode ser feita em pequenos grupos ou individualmente. Os participantes deverão fazer adaptações criativas e cômicas dos provérbios sugeridos:

1. Quem rir por último, rir melhor.
2. Quem não tem cão, caça com gato.
3. Águas passadas não movem moinho.
4. Quem vê cara, não vê coração.
5. Quem dá aos pobres, empresta a Deus.
6. Os últimos serão os primeiros.
7. Devagar se vai ao longe.
8. Depois da tempestade vem a bonança.
9. Quem tudo quer, tudo perde.
10. Em terra de cego, quem tem um olho é rei.
11. Quem ama o feio, bonito lhe parece.
12. Alegria de pobre dura pouco.
13. Gato escaldado tem medo de água fria.
14. Em boca fechada não entra mosquito.
15. O pior cego é aquele que não quer ver.
16. Há males que vêm pra bem.
17. Quem com ferro fere, com ferro será ferido.
18. Quem tem boca vai a Roma.
19. Antes tarde do que nunca.
20. Deus ajuda quem cedo madruga.
21. Água mole em pedra dura tanto bate até que fura.
22. Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé.
23. Quando um não quer dois não brigam.
24. Quem canta seus males espanta.
25. Devo, não nego, pago quando puder.
26. A pressa é inimiga da perfeição.
27. Cachorro mordido de cobra tem medo de linguiça.
28. Amigado com fé casado é.
29. Um olho no padre, outro na missa.
30. Quem espera sempre alcança.
31. Diga-me com quem andas e te direi quem és.
32. Quem com porcos se mistura, farelo come.
33. Pra quem sabe ler um pingo é letra.
34. A cavalo dado não se olha os dentes.
35. Pimenta nos olhos dos outros é refresco.
36. Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher.
37. Cachorro que ladra não morde.
38. Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão.
39. É melhor um pássaro na mão do que dois voando.
40. Onde come um comem dois.


ATIVIDADE 06

Argumentação

· Cada grupo vai vender um produto. É preciso convencer os ouvintes de que esse produto é fantástico, tem algo diferente e espetacular.
Sugestões:
a) uma cebola;
b) uma garrafa pet;
c) uma folha de jornal;
d) um tomate;
e) outros, a critério do dinamizador e/ou do grupo.

ATIVIDADE 07

Descrição de pessoa

· Dividir a turma em duplas;
· Cada companheiro da dupla descreve o outro;
· Cada um lê o seu texto em voz alta.

ATIVIDADE 08

· Cada companheiro põe seu nome numa folha, apenas o nome. Em seguida todos trocam as folhas entre si (não vale ficar com a própria folha). Cada companheiro escreve uma carta para aquele cujo nome está na folha que ficou com ele.


ATIVIDADE 09

· Cada companheiro deverá desenhar, escrever ou rabiscar num papel pardo que será colocado a disposição de todos. Terminada essa fase, cada um dirá, com uma palavra, o que sentiu ao produzir seu trabalho(poderá também interpretar seu trabalho através de uma palavra). Todas as palavras serão escritas no quadro pelos participantes. Em seguida, todos (individualmente ou em pequenos grupos) deverão produzir um texto, de modo que entrem, em sua quase totalidade, as palavras ditas pelos companheiros. Posteriormente, cada texto deverá ser lido em voz alta.

ATIVIDADE 10

· Todos em círculo;
· Distribuir uma porção de massa (de modelar ou de pastel, feita com farinha e água) para cada participante;
· De olhos fechados e ao som de uma música, preferencialmente, orquestrada, cada um modela sua massa com os dedos. Após um determinado tempo, interromper a música, pedir que abram os olhos e observem a forma que a massa tomou.
· Responder, por escrito, as seguintes perguntas, levando em consideração o objeto que acabaram de criar:
1. Quem sou eu?
2. Meu nome é...
3. Como nasci?
4. De que sou feito (descreva-me)?
5. Onde vivo?
6. Quais os meus gostos, meus medos?
7. Que planos tenho para o futuro?
8. Minha mensagem para o homem é...

· O dinamizador poderá aumentar ou diminuir o número de perguntas em função do interesse da turma. Terminadas as respostas (ou antes, a critério do dinamizador), cada aluno poderá apresentar aos colegas seu trabalho.

ATIVIDADE 11

Um ser fantástico

Material: Músicas sobre o tema (ex.: Sem Pecado e sem Juízo, de Baby Consuelo), jornais, retalhos de tecido, papel colorido, vela, fósforo, celofane, plástico, papelão ou qualquer outro material que permita a confecção de bonecos.

· A atividade é iniciada com a leitura e interpretação da música escolhida;

· Após a leitura, falar sobre o nosso corpo, a matéria de que é feito(carne e osso), as vantagens e desvantagens de ser feito dessa matéria e as precauções que devemos tomar para nos preservar do perigo (fogo, água, queda, etc..);

· Cada grupo deverá confeccionar um ser fantástico, sem nenhum compromisso com o real;

· Batizar o novo ser com um nome que tenha ligação com o material de que é feito e criar um texto sobre ele, baseando-se nas perguntas:
1. Quem é?
2. De que é feito?
3. Onde vive(descrever o ambiente);
4. Como se comunica quando está alegre ou triste?
5. Como se relaciona com os outros seres?
6. Quais as suas contribuições para o mundo?

ATIVIDADE 12

Situação-problema

· O dinamizador escreve em tiras de papel situações-problemas criadas a partir de fatos do cotidiano;
· Divididos em grupos, os alunos sorteiam uma delas e tentam encontrar uma solução lógica, real e possível.
· Uma vez encontradas, as soluções serão transmitidas à turma, que poderá questioná-las quanto a sua viabilidade, promovendo-se, assim, um debate.

A coerência e a organização lógica das idéias podem ser bastante trabalhadas nesta atividade. O aluno, para melhor resolvê-las, deve colocar-se na situação como se, realmente, ela fosse verdadeira.

1. Você está na África e não sabe falar o dialeto local. Como você se comunicaria para pedir comida, ir ao banheiro, usar o telefone?

2. Como você sairia de uma ilha deserta cercada de tubarões, sem nenhuma embarcação?

3. Como você faria para sair de uma estação do metrô em dia de temporal, com as galerias inundadas?

4. Você foi ao supermercado fazer compras. De repente, viu um embrulho jogado num canto do chão. Observou melhor e viu que ele se mexia. O que era? O que fez com ele?

5. Você e um grupo de amigos caminhavam para o cinema. De repente, você se distraiu e perdeu de vista a turma. O que fez? Conseguiu encontrá-los? Como?

6. Você caminhava pela rua quando encontrou uma criança perdida. O que fez? Como estava a criança?

7. Você entrou no cinema com o (a) namorado (a). Por uma infelicidade, ao se beijarem, o aparelho corretivo que você usa nos dentes engatou no dele (a). O que fizeram para resolver o problema? Demorou muito? Qual a reação das pessoas que presenciaram o fato?

ATIVIDADE 13

Imagine que...

· Distribuir, aleatoriamente, cartões com as condições e perguntas abaixo, que deverão ser respondidas pelos participantes:

1. Você é um mago poderoso e tem uma grande missão.
- Qual?
- Conseguiu executar? Como?

2. Você é um gnomo que mora na raiz de uma árvore.
- Como você vive?
- Quais são seus planos?
- Quais são suas dificuldades?

3. Você é um dos anões da Branca de Neve.
- Qual deles?
- O que você faz?
- Como se sente sendo um personagem tão conhecido no mundo inteiro?
- O que acha do mundo da fantasia?

4. Você tem um cavalo alado.
- Como ele é?
- Quem é você?
- Como o cavalo entrou na sua vida?
- Conte uma história interessante que vocês viveram.

5. Você descobriu uma caverna abandonada.
- Como? Onde?
- O que havia nela?
- Conte suas sensações ao descobri-la.
- Alguém mais sabe da existência dessa caverna? Quem?
- O que você pretende fazer agora?

6. Caminhando pela fazenda, você encontrou um saci, numa noite de chuva.
- Como se deu o encontro?
- Você contou o fato a alguém?
- Acreditaram em você?

7. Você se tornou um personagem de uma novela de TV.
- Qual?
- De que forma isso aconteceu?
- Quais as suas impressões sobre esse mundo mágico?
- Vale a pena ser famoso?

8. Você foi a uma fazenda. Era noite de lua cheia. Saiu para dar um passeio e viveu uma grande aventura.
- Qual? Como? Com quem?

9. Você assistia à televisão quando, por um passe de mágica, foi atraído para dentro do aparelho.
- Como foi isso?
- O que aconteceu?
- Que aventuras viveu?
- Conte seu retorno à sala de sua casa.

10. Você é um coelho de uma história infantil.
- Qual? Como é o seu nome?
- Onde mora? Com quem?
- Como vive? O que pretende?

11. Você foi assistir a um show de rock. De repente, aconteceu algo estranho.
- O quê? Como?
- Com quem?
- Como tudo terminou?


Explorando o Primeiro Contato

ATIVIDADE 01 – Quem sou eu?

· O dinamizador se apresenta sos alunos dizendo seu nome, idade, atividade, gostos, hábitos, ideais, planos futuros, etc.. Feito isso, cada aluno se apresentará da mesma forma. O dinamizador deve alertar para prestarem atenção às informações de cada participante ao se apresentar, pois elas serão usadas depois.

· Cada participante coloca num papel, sem se identificar, cinco de suas qualidades, hábitos e/ou preferências dentre as que citou na apresentação. Os papéis são misturados numa caixa e cada participante tira um, lê alto e tenta descobrir a quem pertencem as características indicadas. Caso não consiga acertar mesmo depois de três chances, o grupo poderá ajudá-lo.


ATIVIDADE 02 – Quem me quer?

· Colocar sobre a mesa gravuras variadas e pedir que escolham aquela com a qual melhor se identifiquem e digam por que a escolheram.

· Pedir a cada aluno que descreva o que vê na figura e o que sente em relação a ela.


ATIVIDADE 03 - Quebra-gelo

· O dinamizador escreve as frases abaixo em tiras de papel e oferece aos participantes para sortearem uma delas e completá-la oralmente para o grupo.

1. Caminho sozinho pelas ruas da cidade, olho em volta e observo que...

2. Hoje, eu queria apenas...

3. É muito difícil nos dias de hoje...

4. Depois de um dia de muito trabalho, eu gosto de...

5. Ah! como eu gostaria de...

6. Meu dia fica completo quando acabo meus afazeres e...

7. Quando estou triste, gosto de...

8. Neste momento em que estamos juntos, a primeira sensação que tenho é...

9. Quando estou em paz comigo mesmo, gosto de...

10. Como eu gostaria de reviver o dia...

11. Dias felizes são aqueles em que eu acordo e...

12. O meu maior sonho é...

13. A minha felicidade eu gostaria de dividir com...

14. Minha maior alegria é...

15. A música de que eu mais gosto é...

16. Dias perfeitos são aqueles em que...

17. Quando estou cansado e quero sair da rotina, eu...

18. Eu me sinto completamente feliz quando...

19. Quando eu cheguei a esta sala, o detalhe que mais me chamou a atenção foi...

20. Nesta cidade, a gente passa, a gente olha, a gente...

21. Quando abro a janela do meu quarto, eu vejo...

22. Se o tempo voltasse atrás, eu gostaria de...

23. O que mais gosto no ser humano é sua capacidade de...

24. Se hoje fosse meu último dia de vida eu...

25. Amigo é aquela pessoa que...



ATIVIDADE 04 – Descobrindo o colega

· O dinamizador pede a cada colega para que escolha, entre seus pertences, um objeto com o qual se identifica. Caso o participante não tenha várias opções, que pegue um objeto qualquer.

· Em seguida o dinamizador pede para que depositem todos os objetos destacados em um saco, preferencialmente de cor escura.

· Recolhidos todos os objetos, o dinamizador passa a sacola novamente para que cada participante pegue um, sem ver ou escolher, evitando pegar o seu próprio.

· Agora, cada participante deverá falar sobre o objeto que está em seu poder, estabelecendo alguma relação entre o mesmo e o seu proprietário. Posteriormente, deverá “indicar” a quem pertence.

· Uma vez descoberto o proprietário do objeto em questão, deverá este dar seqüência a dinâmica.


ATIVIDADE 05 - Ditado de auto-afirmação

· Explicar aos participantes que todos farão um DITADO, e que deverão pegar uma folha e numerar de 1 a 13.

· Começar o ditado propriamente dito, procedendo da seguinte forma:

1. O animal de que você mais gosta (cachorro, gato...);
2. um animal da floresta;
3. um animal que você considere forte;
4. um dos elementos da natureza (água, ar, fogo, terra);
5. sol ou lua;
6. a palavra MURO;
7. a palavra XÍCARA;
8. a palavra SAUDADE;
9. um sentimento;
10. um sentimento (também);
11. onde você trabalha (casa, escola, rua...);
12. a palavra FAMÍLIA;
13. com quem você gosta de conviver (uma única pessoa ou um grupo);

· O dinamizador pede para que cada participante escreva ao lado de cada palavra uma única palavra que traduza o que a palavra anterior representa pra ele. Pode ser um sentimento ou uma sensação)

· Agora o dinamizador fará uma análise das “respostas” da seguinte forma:

1. O que você escreveu aí ao lado da palavra inicial significa o que você pensa que é, mas não é;
2. o que os outros pensam a seu respeito;
3. o que você é de fato;
4. como você vê a vida;
5. como você vê sua mãe;
6. como você vê a morte;
7. como você está hoje em relação a sua sexualidade;
8, 9 e 10. representam os cuidados e a atenção que você deve ter nas relações do dia-a-dia;
11, 12 e 13 – compromissos que devemos ter com nós mesmos para que tudo aconteça.

Explorando o Desenho

ATIVIDADE 01 - E se levássemos tudo ao pé da letra...

· Distribuir folhas de papel ofício em branco para todos os participantes;

· Relacionar, no quadro, uma série de expressões populares utilizadas no dia-a-dia e que têm sentido figurado;

· Pedir aos participantes para que escolham de uma a quatro expressões e representem-na(s) através de um desenho, levando em consideração seu sentido próprio, ou seja, como seria se entendêssemos ao pé da letra.

· Esta atividade pode ser feita individualmente ou em dupla.

Sugestões:

1. Vai plantar batatas!
2. Vai ver se estou na esquina!
3. Vai tomar banho!
4. Vai te catar!
5. Vai catar coquinho!
6. Se manca!
7. Seu cabeça de abóbora...
8. Seu cara de bolacha...
9. Você é uma anta.
10. Vai ver se estou na China!
11. Você é um banana!
12. Você é um pamonha!
13. Você é um animal!
14. Tomou um soco na boca do estômago.
15. Chegamos à boca da noite.
16. Sacou o dinheiro na boca do caixa.
17. Comprou uma cabeça de alho.
18. Você é um doce de pessoa.
19. Estava com cara de quem comeu e não gostou.
20. É um cara de pau.
21. Rachou a cara de vergonha.
22. Acabou de entrar numa fria.
23. Ele bateu as botas.
24. Não pode ver um rabo de saia...
25. Sua calça está pescando siri...
26. Cuidado! Sua batata está assando...
27. Ele amarelou e por isso desistiu.
28. Vivia no mundo da lua...
29. Aquele rapaz é muito aéreo (alienado);
30. Ele morreu de rir daquela piada.
31. Tirar água do joelho.
32. Passar um fax.
33. Pisando em ovos.
34. Está vermelho de raiva.
35. Pisando na bola.
36. A namorada dele deu um bolo.
37. Ele tomou um toco.
38. O namoro acabou e ele está na fossa.
39. Ela está deprimida, no fundo do poço.
40. Aquele garoto tem cocô na cabeça.


O JOGO DRAMÁTICO

· Todos andando em círculo;

· O dinamizador vai dizendo o que eles devem dramatizar: “você está passeando num shopping, para diante de uma loja, olha uma vitrine e observa uma coisa que você quer muito, mas não tem dinheiro para comprá-la....”


RETRATANDO O COLEGA

· O dinamizador distribui duas folhas de papel ofício (dobradas) e orienta cada participante a desenhar 3 partes do corpo de 3 colegas diferentes (ou o mesmo): rosto, pernas, braços;

· Cada um expõe seu desenho, encaixando um depois do outro, no quadro negro (fita crepe).


ATIVIDADE COM RETROPROJETOR

· Levar vários objetos (miniaturas, chaveiros, brinquedos pequenos) e celofane colorido;
· Cada grupo (+/- 3 pessoas) monta uma cena sobre o vidro do retroprojetor;
· A cena é projetada numa folha de papel peso 40 e o grupo risca, no papel a cena projetada;
· Ao retirar o papel, o grupo conclui o desenho, pinta e explica a cena para a turma, criando uma história.


CRIAÇÃO DE UMA IMAGEM COLETIVA NO QUADRO

· Um aluno inicia um risco no quadro, para e outro continua até que toda a turma faça o mesmo.

· Observamos o resultado final e, oralmente, cada um explica o que vê.

· Concluído o desenho, os grupos (de 4 pessoas) recebem meia folha de papel pardo e tenta “imitar”, no papel, o traçado que está no quadro. Depois, pintar os espaços, fazendo um grande colorido.

· Conceitos de arte, a dificuldade de se imitar uma obra de arte, copiar....


DINÂMICA COM BARBANTE

· Formar um círculo;

· Um rolo de barbante é dado a um participante; ele segura uma ponta e chama um colega para pegar o rolo;

· Quem pega o rolo volta para o seu lugar e chama outro e vai formando uma figura;

· Em seguida, atribui-se um número a cada participante (1 e 2, 1 e 2);
· Quem recebeu o número 1 levanta; quem for 2 abaixa e vai modificando a figura (noção de espaço, linha, ponto).


CONHECENDO OS COLEGAS – entrevista

· Os participantes saem dos seus lugares e entrevistam dez colegas, fazendo uma das perguntas abaixo a cada um;

· Terminada esta etapa, começam as apresentações com cada um lendo sua folha.

1. O que ______________ mais gosta de fazer é ___________

2. ____________ fica satisfeito (a) quando _______________

3. Se fosse um animal, ______________ seria um (a) ______

4. A comida preferida de ______________ é _____________

5. __________ sente-se orgulhoso(a) quando ____________

6. __________ é o apelido que ________ daria a sua sogra.

7. __________ é apaixonado (a) por __________________

8. A característica marcante de _________ é ____________

9. O que deixa ________ aborrecido (a) é _______________

10. ________ gosta de ouvir e dançar ___________________



DIÂMICA DAS PARTES

· Fazer, num papel duro, um quadrado ou outra forma geométrica com uma abertura;

· Colocar o papel com a abertura sobre uma figura ou uma fotografia;

· O participante amplia, reduz ou observa a parte da figura ou da fotografia em questão.


BRINCANDO COM FORMAS GEOMÉTRICAS


· Cortar diversos papéis em formas geométricas distintas (quadrado, triângulo, círculo, retângulo) e colocá-los num saquinho;
· Cada participante retira um papel.
· Os grupos se formam de acordo com a forma, a cor e o número das figuras (seis integrantes no máximo);
· O dinamizador entrega aos grupos um pedaço de papel (cartolina ou cartão), mais ou menos tamanho ofício e pede que o grupo monte uma figura, ou seja, que construa um desenho com as formas geométricas recebidas;
· Um representante do grupo explica a imagem construída.


DESENHANDO COM MÚSICA

· Tocar uma música clássica instrumental;

· Os participantes deverão pintar ou desenhar as sensações que tiveram ao ouvir a música.

· OUVIR – atividade fisiológica. Ouvimos tudo porque não somos surdos. ESCUTAR – atividade psicológica, escutamos apenas o que nos interessa; VER – fisiológico, campo de visão; OLHAR – escolhemos o que queremos olhar e olhamos apenas uma coisa de cada vez.


ONDE VOCÊ ESCONDE SEU PRECONCEITO

· Dividir a turma em grupos;
· O dinamizador diz aos grupos: uma cidade vai ser alagada de repente e seus habitantes, que são poucos, serão levados, num barco, para recomeçar a cidade em outro lugar. O problema é que só tem um barco com lugar para apenas 4 pessoas e precisamos escolher quem vamos salvar. Os candidatos são: um desempregado, um idoso, um analfabeto, um traficante, uma prostituta, uma adolescente grávida, um viciado em drogas, um deficiente físico e um aidético.
· Os grupos fazem uma lista de quem salvaria e em seguida explicam suas escolhas para a turma.


PRODUÇÃO COLETIVA DE UM TEXTO SURREALISTA


· Todos em círculo;
· Cada participante recebe um papel;
· O dinamizador vai fazendo as perguntas abaixo. Cada participante responde a primeira pergunta, dobra a folha de forma a esconder a resposta e passa adiante.
· Esse procedimento vai sendo repetido até a última pergunta.
· Respondida a última pergunta, cada participante abre o papel e lê o texto em voz alta.


PERGUNTAS
1. Quem?
2. Onde?
3. Com quem?
4. Quando?
5. O que faziam?
6. O que usavam?
7. De repente...
8. E assim...

DRAMATIZANDO COM JORNAIS

· O dinamizador espalha diversas folhas de jornais pelo chão da sala;
· Cada participante escolhe uma folha;
· Formam-se grupos de até quatro pessoas;
· Cada grupo escolhe uma manchete interessante e em seguida dramatiza a notícia escolhida (pode misturar notícias).
Material: fantasias, papéis coloridos (crepom), jornais, bonés, pano (filó), tesouras, colas.
Variação: fazer um telejornal; os repórteres de rua estarão fantasiados de acordo com as notícias escolhidas.

DNÂMICA: COMO VOCÊ VÊ A VIDA

· Cada participante escreve, num papelzinho, uma palavra que resuma o que ele pensa da vida (pode ser também o que ele pensa de estar aqui), o que isso representa pra ele;
· O dinamizador recolhe todas as palavras num saco ou numa caixinha;
· Cada participante retira uma palavra (não vale ficar com a sua) e desenha o que essa palavra significa pra ele;
· Cada participante apresenta seu desenho e explica o significado após dizer a palavra que retirou.
· Em seguida, o participante que escreveu a palavra fala o que quis dizer com ela, mostra seu desenho e continua a dinâmica, sempre nessa ordem.

OBS.: Caso haja um retroprojetor, o desenho pode ser feito em transparência, filme de rx ou acetado.

· O objetivo é contrastar o que significa a mesma palavra para quem escreveu e para quem recebeu.

DESENHO E COLAGEM

· Cada grupo deverá desenhar um homem ou uma mulher em folha de papel pardo (meia folha) e preencher os espaços fazendo colagem (jornais, revistas) com reportagens e figuras sobre um tema estabelecido pelo dinamizador (Ex.: evolução dos direitos da mulher....).
· Cada grupo apresenta seus resultados.


SUGESTÃO DE TEMAS PARA PRODUÇÃO DE UM TEXTO EM VERSO

1. Fatal
2. Quando amo não sou um
3. Meu Herói
4. Tô Fora
5. Recomeçar
6. Meu Filho
7. Mais uma vez
8. O que vivi até agora
9. Sou feliz
10. O descaminho das drogas
11. O que me inspira
12. Sonho Meu
13. Quero uma vida diferente
14. Minha volta para a escola
15. Eu e o Mar


EXPLORANDO A ORALIDADE

Música: Estação – Miltom Nascimento

Lugar – um espaço onde as pessoas se reconhecem (casa, família, escola, igreja);
Não-lugar – um espaço por onde as pessoas passam, mas não se reconhecem: aeroporto, estação, rodoviária...
· Cada participante deverá apresentar, oralmente, exemplos de lugar e de não-lugar.


PAISAGEM SONORA

· Em um minuto registrar todos os sons do ambiente: porta batendo, motores, crianças, buzina, tosse, ondas, pássaros....

· Cada participante faz uma descrição sonora de um ambiente “conhecido” numa determinada hora. A turma tenta adivinhar o lugar e a hora.

VALOR SENTIMENTAL

· Cada participante deverá trazer um objeto pessoal de valor sentimental e falar sobre ele para a turma.

MUSICANDO POEMAS

· Cada grupo deverá musicar um poema de um autor conhecido e em seguida apresentar para a turma.

FRASES PARA DEBATE

1. “A adoção é a maternidade gerada no coração, como a gestação natural é gerada no útero.” (Siro Darlan)

2. “Arte não é curtir por curtir, tem que ter um sentido, uma lógica crítica.”

3. “Uma leitura se torna significativa quando estabelecemos relações entre o objeto de leitura e nossas experiências de leitor.” (Pillar)

4. “Eu não tenho o hábito da leitura, eu tenho a paixão da leitura. O livro sempre foi para mim uma fonte de encantamento.” (Ariano Suassuna)

5. Segundo Madalena Freire, “a experiência pessoal define uma forma particular de ver o mundo, que depende do meio social, da época em que se vive, da sociedade a que o indivíduo pertence, da idade que ele tem. Portanto, a experiência de ler é muito particular, na medida que o caminhar pela vida é único para cada pessoa, desde a experiência intra-uterina à formação familiar, à opção religiosa, às brincadeiras preferidas.”

6. “Alguém pode te obrigar a ser escravo, mas não a ser livre. Liberdade é opção.”

7. “O apego leva à dor.” (Buda)

8. “...eu só crio oportunidades, as pessoas é que caem.” (diálogo do filme “O Advogado do Diabo”

9. “A tarefa primordial do educador é seduzir o aluno para que ele deseje e, desejando, aprenda.” (Rubem Alves)


RODA DE LEITURA

1. Você lê?
2. O quê?
3. Como?
4. Quando?
5. Por que?
6. Para quê?
7. Onde?
8. O que é ler?


NEOLOGISMOS

Millôr Fermandes escreveu sobre palavras que precisavam ser inventadas, tais como:
ABACATIMENTO – redução no preço do abacate.
ADOLAR – puxar o saco dos americanos.
AÇOUGUE – lugar onde se vende carne assada.

Agora, tente dar uma definição para as palavras a seguir:

a) Assassinatura –
b) Caligrafeia
c) Descendoente –
d) Carieoca –
e) Abensuado
f) Amorder –
g) Calvúcio –
h) Anãofabeto –

Agora, vamos criar pelo menos cinco neologismos e defini-los.


BRINCANDO DE DICIONÁRIO


“Penetra surdamente no reino das palavras. Lá estão os poemas que esperam ser escritos. Estão paralisados, mas não há desespero, há calma e frescura na superfície intacta. Ei-los sós e mudos, em estado de dicionário.” (Drummond)


1. Dividir a turma em grupos (4 pessoas). A cada rodada, um grupo ficará de posse do dicionário, o único exemplar que poderá ser manuseado durante o jogo. O professor registra a pontuação;

2. Um grupo escolhe, no dicionário, uma palavra que julgue desconhecida por todos, anunciando-a para a classe. Os outros grupos terão um tempo para criar, em uma tira de papel, uma definição para a palavra;


3. O grupo que está de posse do dicionário lê todas as definições, inclusive a verdadeira, copiada também numa tira de papel;

4. Cada grupo escolhe, por maioria, a resposta que julga correta;

5. Lê-se a definição correta. O grupo que acertar ganha dois pontos. Se ninguém votar na definição do dicionário, o grupo que escolheu a palavra marca 3 pontos. Já o grupo que tiver sua definição escolhida por outros ganha um ponto para cada voto. Se ao ouvir a palavra anunciada, alguém da classe souber a definição correta, deve anunciá-la antes de começar a rodada, marcando 4 pontos para seu grupo. (Nova Escola 124)


DINÂMICA DO SORTEIO


· Preparar uma caixa com o “presente”. Sugere-se uma caixa de bombons em quantidade suficiente para que todos os participantes possam receber um;
· Cada participante escreve seu nome num papel e coloca numa sacola para sorteio.
· Feito o sorteio, o “ganhador” recebe o “presente”, mas é informado que não poderá abri-lo imediatamente.

1. Parabéns! Você tem muita sorte, foi premiado com este presente que simboliza a confraternização e a amizade que cultivamos, mas o presente não será seu. Observe entre os companheiros aquele que você considera organizado e entregue a ele o presente.

2. A organização é algo de grande valor pra você. Como possuidor desta virtude, deverá entregar o presente a um companheiro que você considere muito feliz, que está sempre de bem com a vida.

3. Você é muito feliz, construa sempre a sua felicidade em bases sólidas. A felicidade não depende dos outros, mas de nós mesmos. Bom, mas o presente ainda não será seu, entregue-o para alguém que você considere uma pessoa meiga.

4. A meiguice é algo raro e você a possui, mas o presente ainda não é seu e você com seu jeito meigo não vai fazer questão de entregá-lo a alguém que considere extrovertido.

5. Por ter esse jeito tão extrovertido é que você está sendo escolhido para receber este presente, mas infelizmente ele não é seu, passe-o para quem você considera muito corajoso.

6. Você foi contemplado com este presente e agora, demonstrando a virtude da coragem, pela qual você foi escolhido para recebê-lo, entregue-o para quem você acha muito inteligente;

7. A inteligência nos foi dada por Deus. Parabéns por ter encontrado espaço para demonstrar este talento; muitos de nossos irmãos são inteligentes, mas a sociedade muitas vezes impede que eles desenvolvam sua inteligência. Agora passe o presente para quem você acha simpático.

8. Para comemorar a escolha distribua um largo sorriso aos amigos. O mundo está tão amargo e para melhorar um pouco necessitamos de pessoas simpáticas como você. Parabéns pela simpatia. Não fique triste, o presente não será seu, passe-o para quem você acha dinâmico.

9. Dinamismo é fortaleza, coragem, e irradia energia. Seja sempre um agente multiplicador de boas idéias e boas ações em seu meio. Precisamos de pessoas como você, mas passe o presente para quem você acha solidário.

10. Solidariedade é uma coisa muito rara no mundo em que vivemos, de pessoas egocêntricas. Você está de parabéns por ser solidário com os companheiros, mas o presente não será seu, passe-o para quem você acha muito alegre.

11. Alegria! Você, neste dia, poderá fazer renascer em muitos corações a alegria de viver. Pessoas alegres como você transmitem otimismo e alto astral. Com sua alegria, passe o presente para quem você acha mais elegante.

12. Parabéns, a elegância torna a sua presença mais marcante, e completa a criação humana, mas o presente ainda não será seu. Passe para aquele companheiro que você considerar mais bonito.

13. Que bom! Você foi escolhido por ser o mais bonito do grupo. Agora mostre essa beleza desfilando para que todos observem o quanto é bonito, mas o presente não será seu, passe-o para quem lhe transmite paz.

14. O mundo inteiro clama por paz e você, gratuitamente, transmite esta tão grande riqueza. Parabéns! Você está fazendo falta às grandes potências do mundo, responsáveis por tantos conflitos entre a humanidade. Com muita paz, abra o presente e divida-o com todos os companheiros, desejando-lhes muitas felicidades em nome de todos nós.
AMIZADE está acima das idéias e não se desfaz com adversidades. Se nasce, não pode morrer. Até sua lembrança é eterna. Como diz Milton Nascimento: “Amigo é coisa pra se guardar debaixo de sete chaves, dentro do coração.”
O grupo precisa de pessoas com características diferentes para que possa tornar-se realmente um grupo forte e capaz de atender diferentes solicitações. Quando cada um oferece seu potencial individual fortalece o trabalho do grupo.


SITUAÇÕES PARA PRODUÇÃO TEXTUAL

1. Faça uma lista de cinco coisas da natureza que você acha feias. Faça uma descrição de cada uma delas, usando somente as qualidades belas.

2. Escreva um poema curtinho sobre a cor que mais lhe agrada neste momento.

3. Escreva sobre a sua falta de tempo ou de inspiração para escrever.

4. Numa viagem de ônibus, observe atentamente outros passageiros, como se eles fossem personagens de uma história. O que estão usando? Como agem? O que você imagina de cada um?

5. Escolha uma brincadeira infantil, como esconde-esconde, por exemplo. Escreva um texto descrevendo o que as pessoas fazem nessa brincadeira, mas sem dizer que brincadeira é, até o final do texto.

6. Imagine que você vai passar dois anos isolado do mundo em contato com a natureza. Quais são as três coisas que você levaria? Por quê?

7. Faça de conta que você é uma árvore. Que tipo de árvore? Por quê? Descreva a si mesmo detalhadamente (altura, aparência, idade...).

8. Escreva um haikai (3 linhas sem rimas, a primeira com 5 sílabas métricas, a segunda com 7 e a terceira com 5) sobre o que se vê olhando através da janela mais próxima.

9. Onde você está neste exato momento? Imagine-se neste mesmo lugar daqui a 15 anos. Escreva contando o que mudou, como se sente, o que continua igual.

10. Se você fosse um viajante do passado ou do futuro, visitando o presente, como escreveria um relatório contando o que você vê neste momento?

11. Descreva seu quarto da perspectiva de outra pessoa (amigo, vizinho, um estranho...).

12. Existe alguém na sua família que seja um grande contador de histórias? Descreva essa pessoa de modo a mostrar por que ela é um grande contador de histórias.

13. De todos os lugares em que você já viveu, qual é o seu preferido? Por quê? Quem vive lá agora?

14. Conte uma história usando personagens de livros diferentes (pode ser de filme ou novela também).

15. Se você pudesse renascer em outra época da história, que época seria essa e por quê?

16. Qual é a sua história infantil preferida? Escreva um final diferente para ela.

17. Ah, aquele brinquedo que eu nunca esqueci....

18. Reescreva a letra de sua música preferida mudando-a para que fique autobiográfica.

19. Escreva um parágrafo sobre sua cor preferida, como se você estivesse vendo-a pela primeira vez.

20. Você vai fazer um filme. Descreva-o em três linhas.

21. Você lembra da última vez que riu às gargalhadas? Conte o que foi que aconteceu e que provocou seu riso.

22. Pegue as palavras PAZ, ESPERANÇA e ALEGRIA. Transforme cada uma delas em personagem de um pequeno conto. Para descrever as personagens, inspire-se em gente que você conhece e a quem esses nomes se ajustariam.

23. Indique 3 pessoas que fizeram diferença na sua vida e escreva um parágrafo sobre cada uma delas.

24. Hoje é um dia importantíssimo para você. Invente um motivo.

25. Escreva um parágrafo com a descrição da pessoa que você mais odiou em toda a sua vida.

26. Agora, faça a mesma coisa com a pessoa que você mais amou ou ama.

27. Descreva o tempo que está fazendo hoje sem usar as palavras que normalmente são aplicadas ao clima.

28. Pegue um livro qualquer. Copie a última frase e use-a para começar uma história.

29. Invente uma descrição para uma sobremesa chamada Além do Arco-Íris.

30. Escolha 5 palavras. Mude uma letra em cada uma delas para inventar novas palavras. Defina as novas palavras criadas.

31. Escolha um poema e transforme-o numa história curta ou, faça o contrário, transforme uma história num poema.

32. Se você tivesse um anjo da guarda, que forma ele teria? Para que situação você pediria sua ajuda?

33. Escreva um poema sobre sua comida preferida.

34. Conte uma mesma história de dois pontos de vista diferentes: o do herói e o do bandido.

35. Escreva a página 121 de sua autobiografia.

36. Você se mudou para outro país, para conhecer outras culturas. Para onde você se mudou? O que você aprendeu até agora? Qual o nome desse país?

37. Que dia da sua vida você gostaria de reviver? Conte o que aconteceu nesse dia.

38. Que dia da sua vida você gostaria de esquecer? Conte o que aconteceu nesse dia.

39. Se eu pudesse ter escolhido meu nome, ele seria________, porque__________.

40. Em duplas, um colega faz a biografia do outro.

41. Agora, cada um faz sua autobiografia.

42. Escreva um parágrafo definindo vulgaridade.

43. Agora faça o mesmo com o tédio.

44. É possível definir a beleza? Defina (ou explique porque não é possível).

45. O que aconteceria se todo mundo fosse igual? Haveria beleza?


PREPARANDO UM DISCURSO

Você foi escolhido pelos seus colegas de classe para ser o orador da turma na solenidade de formatura. A escolha trouxe-lhe um problema: a redação de um discurso. Você não quer ser prolixo, e deseja, portanto, fazer um discurso de formatura curto, preciso, sem utilizar expressões ocas e desgastadas, em que você fale das responsabilidades sociais dos estudantes brasileiros. Então, mãos à obra.


EXPLORANDO OS TEMAS TRANSVERSAIS

PAPÉIS SEXUAIS


“Quem deve cuidar da casa e dos filhos é a mulher, o homem cuida do sustento da família.” (Severino, 38 anos)

A sexualidade está muito relacionada com o papel que homens e mulheres desempenham socialmente. O que a sociedade espera do comportamento do homem e da mulher é o que se chama de papel sexual.
A sociedade e a cultura de cada povo determinam como homens e mulheres vão incorporar esses papéis e quem não segue esse padrão, normalmente não é visto com bons olhos.
Antigamente, não se admitia que a mulher trabalhasse fora, usasse calças compridas e batom. Atualmente, muitas mulheres desenvolvem trabalhos iguais aos dos homens e se vestem de acordo com a conveniência, condição e ocasião.
Apesar da modernização que a estrutura social sofreu nas últimas décadas, observamos que a educação de meninas e meninos continua sendo bem diferenciada. Enquanto os meninos são educados dentro da ótica da competição e agressão, as meninas são educadas para serem delicadas e maternas.

Quando chega a adolescência, vem uma série de proibições para a menina: não deve sair sozinha, não pode transar com o namorado etc. Já para o rapaz, tudo é permitido e até estimulado: sair só, beber, fumar, voltar para casa de madrugada, ter relações sexuais.
Essa reflexão não pretende fazer meras substituições entre as posições sociais que os homens e as mulheres ocupam, mas promover a igualdade de direitos e a equiparação de oportunidades.


DINÂMICA: Por que tanta diferença?

· Separar a turma em grupos só de meninos e só de meninas;

· Os grupos de meninos deverão discutir e relacionar cinco vantagens e cinco desvantagens de ser mulher;

· Os grupos de meninas deverão discutir e relacionar cinco vantagens e cinco desvantagens de ser homem;
· Feitas as listagens, cada grupo apresenta seus resultados.

Pontos para discussão:

a) Qual a origem dessas diferenças?
b) Como essas diferenças são vistas em outras sociedades?
c) Como essas diferenças afetam a vida dos homens e das mulheres?
d) Quais das vantagens de ser homem ou mulher são reais e quais são estereotipadas?
e) É possível ser homem e exercer alguns dos tópicos listados em “mulher” e vice-versa?
f) Masculino e feminino é a mesma coisa que macho e fêmea?


CURTINDO O MEU CORPO

“Me acho muito desinteressante, nada fica legal para mim. Eu queria ter um corpo de modelo, um cabelo bonito e roupas bem transadas. Acho que nunca vou ser bonita como as modelos. Será que eu ainda posso mudar? “
(Rosana, 14 anos)

Corpo e personalidade transformam-se ao mesmo tempo na adolescência e aí vêm as surpresas, o não saber o que fazer para esconder ou evidenciar mais essas mudanças, que trazem ainda dúvidas sobre a normalidade de suas ocorrências. Não dá para ficar indiferente. A síndrome do “Patinho Feio” toma conta de ambos os sexos. Surgem as comparações com os corpos dos amigos. Ser livre conflita-se com a necessidade de ser igual aos amigos.
A sociedade propõe estereótipos (modelos rígidos, definidos) de beleza. As pessoas passam a correr atrás desses modelos, que costumam ser associados ao sucesso, poder, desempenho sexual e plena aceitação social.
No entanto, é importante saber que para ser atraente e simpático(a) não é preciso ser bonito(a). O que vale é como expressamos nossos sentimentos aos outros. Para isso, temos que gostar por inteiro e entender que nosso corpo é nosso fantástico instrumento de comunicação interpessoal e que precisamos cuidar bem dele.

DINÂMICA: Beleza e Idealização

· Formar grupos só de meninos e só de meninas;
· Os grupos de meninos devem discutir sobre o tipo de mulher que consideram ideal e, em seguida, listar, pelo menos cinco características dessa mulher ideal;
· Os grupos de meninas devem fazer a mesma coisa em relação aos homens;
· Cada grupo apresentará seus resultados.

Pontos para discussão:

a) Aceitação da aparência física por homens e mulheres;
b) Como é a idéia de beleza de cada membro do grupo;
c) Como são criados os critérios ou padrões de beleza;


SITUAÇÃO-PROBLEMA

O dinamizador deve apresentar os casos a seguir para a turma a fim de promover uma reflexão . Caso prefira, poderá dividir a turma em grupos e apresentar uma situação para que cada grupo apresente possíveis soluções.

a) “Meu namorado acha que chegou a hora da gente transar, mas não tenho certeza se estou a fim... Estou bastante grilada... Se eu não topar ele pode procurar outra... Se eu concordar... e se pintar um lance errado? O que devo fazer?” (Sandra, 16 anos)

b) “Tenho 15 anos, estudo e estou gostando de um cara mais velho. Minhas amigas dão a maior força para ficarmos juntos. Ele também está a fim. Tenho medo de me envolver e depois não dar certo. O que devo fazer?” (Gabrielle)

c) “Alex, 16 anos, namora Marina de 17 anos há quase um ano. Ele está terminando o ensino médio e está em dúvida se vai para a universidade ou se começa a trabalhar. Seus pais não são ricos e, às vezes, até enfrentam dificuldades. Há uma semana, Marina lhe contou que acha que está grávida. Agora Alex tem que tomar uma decisão em sua vida.”

d) “Tive uma criação muito repressora. Meus pais não me deixam namorar, nem sair com meus amigos. Agora, estou apaixonada por um garoto que me curte um monte, só que ele usa drogas e eu quero ajudá-lo a sair dessa.” ( Júlia, 16 anos)

e) “Quando conheci meu vizinho, éramos só amigos. Com o passar do tempo acabamos saindo juntos e hoje, apesar de já ter se mudado, ele vem todos os dias a minha casa. Como está estudando, não quer se prender a ninguém. Só quer transar, mas não somos namorados. Será que se eu transar, ele fica comigo?” (Beth, 17 anos)


JOGO DAS APARÊNCIAS

Objetivo: Demonstrar como estereótipos e interpretações subjetivas interferem na comunicação.

Material necessário: balões de gás, pedaços de papel, músicas alegres.

· Entregar um balão vazio e um pedaço pequeno de papel em branco para cada participante;
· Cada pessoa deverá escrever no papel três características pessoais, de maneira que, a partir dessas características ela possa ser identificada pelos outros participantes;
· Cada companheiro deverá dobrar seu papel e colocá-lo dentro do balão;
· Agora, cada pessoa enche seu balão. Quando todos os balões estiverem cheios deverão ser jogados para cima, ao mesmo tempo, ao som de uma música animada;
· Quando a música parar, cada um deve pegar o balão que estiver na sua frente e estourá-lo;
· Finalmente, cada participante deverá ler o papel que encontrar dentro do balão e tentar identificar a pessoa que apresenta as características descritas.

Pontos para discussão:

1. Como adquirimos os estereótipos?
2. Por que, muitas vezes, as aparências enganam?
3. Os estereótipos influenciam no comportamento e nos sentimentos das pessoas? De que forma?


REFLETINDO SOBRE SENTIMENTOS E VALORES

Objetivo: promover uma reflexão sobre os sentimentos de uma pessoa que acaba de perder algo importante em sua vida ou que acaba de saber que é portador de uma doença grave.

Procedimentos iniciais: Cadeiras em círculo. Papéis (tamanho cartão de visita), 4 para cada participante. Música: “Será” (Legião Urbana).

1. Solicitar a cada participante que escreva em cada um dos papéis que recebeu, o nome:
a) de uma parte importante do seu corpo;
b) da pessoa mais importante da sua vida;
c) de um sentimento importante;
d) do bem material mais importante que possui.

2. O dinamizador deverá pedir aos participantes que imaginem estar passando por uma situação difícil em que se sintam perdendo alguns valores. Por isso, deverão escolher um dos papéis para descartar (amassar e jogar no meio do círculo).
3. Cada participante deverá escolher ainda um segundo e terceiro valores que também serão descartados.

E A CANOA VIROU

Objetivo: Discutir a natureza do preconceito e as maneiras pelas quais discriminamos alguém.

Procedimentos iniciais: Música: “Fugaz”, de Marina Lima e Antônio Cícero. Formar grupos de cinco ou seis componentes.

· O dinamizador apresenta aos grupos a seguinte situação: “Cada grupo está em alto-mar. O barco bate em um recife e pode afundar a qualquer momento. Vem um barco salva-vidas que tem capacidade de transportar todas as pessoas menos uma.” Por isso, cada grupo vai excluir um membro, baseado em critérios discutidos e aceitos pelo grupo.
· Quem for excluído ficará em um lugar da sala pré-fixado discutindo os critérios para a exclusão e o sentimento de ser excluído;
· Os não excluídos discutirão como se sentiram tendo de excluir alguém do grupo.
Pontos para discussão:
1. Como interagem as pessoas excluídas e as pessoas que excluem?
2. Que sentimentos foram evidenciados pelos excluídos?
3. Como o grupo se sente ao excluir alguém?


ADOLESCER

Depoimentos
1. “É a parte da vida que você está resolvendo que adulto você quer ser.” (Paula Gil, 16 anos)

2. “É poder aproveitar cada minuto de vida, sem muita pressa, pois há tempo pra tudo!” (Renata, 15 anos)

3. “... vontade de ter um carinho diferente, um amor que não seja só dos pais, realizar fantasias e se preparar para o mundo que será o amanhã.” (Renata Cezar, 17 anos)

4. “Adolescer feliz é quando os pais não descontam seus problemas nos filhos, quando tentam entender, que nessa idade, estar com amigos e namorados é mais importante do que ir em casa de parentes.... É poder ser, poder gostar, poder falar. É quando me ouvem sem terem a pré-idéia de que eu vou falar besteira. Não está com nada esta história de que todo adolescente é igual. Não fiquem cobrando tanto da gente; crítica sim, bronca não! Eu ia ser feliz se pudesse fazer coisas importantes.” (Petra de Andrade, 15 anos)

5. “Nem sempre sabemos o que queremos.”
(Fernando Rodrigues, 16 anos)

Objetivo: promover uma reflexão sobre como os jovens percebem o processo da adolescência.
· Cada participante fará um desenho representando como percebem esta fase;
· Cada participante deverá mostrar seu desenho e falar a respeito dele, relatando como caracterizou a adolescência.
· Cada participante deverá produzir um pequeno texto: “Adolescência é......”
Pontos para discussão:
b) Vantagens e desvantagens de ser adolescente.
c) Como o adolescente é visto pela família e pela sociedade.


TEMAS PARA DISSERTAÇÃO

1. Elabore um comentário opinativo acerca da seguinte questão: O ser humano está mesmo evoluindo? Em que aspectos? (UFPE – 2008)

2. Imagine que você assistiu a uma conferência em que um cientista defendeu a idéia de que o ser humano, ao longo do tempo, tem evoluído em muitos aspectos. Agora, elabore uma carta formal, dirigida a esse cientista, na qual você manifeste sua opinião acerca do presente tema, argumentando a favor das idéias defendidas ou contra elas. (UFPE – 2008)

3. Basta ter “escola para todos”? (UFPE-2007)

4. As leis e normas que o homem cria tolhem a sua liberdade? Ou garantem a sua convivência social? (UFPE – 2006)

5. Mulheres: persistem, no Brasil, as discriminações? (UFPE – 2005)

6. A imprensa são os olhos da nação? (UFPE – 2005)

7. Sem pesquisa científica, o Brasil fica refém das tecnologias importadas. (UFPE – 2005)

8. Juventude brasileira: que perspectiva alimentar? (UFPE – 2004)

9. Qual a importância do livro para a humanidade? (UFPE – 2004)

10. O homem quer conquistar o espaço. (UFPE – 2004)

11. Há exagero na relação entre humanos e animais de estimação? (VUNESP – 2008)

12. É preciso ser famoso? (VUNESP – 2008)

13. A busca da beleza do corpo nos dias atuais. (VUNESP – 2007)

14. O sentimento de ciúme em nossas relações. (VUNESP – 2006)

15. Terra para todos: utopia ou sonho possível? (VUNESP – 2005)

16. Ninguém será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes. (VUNESP – 2004)

17. Entre mudanças, lentas ou rápidas, a humanidade vai construindo o futuro. (UNB – 2008)

18. O avanço científico-tecnológico pode contribuir para a construção de uma sociedade mais igualitária? (UNB – 2008)


COLETÂNEA PARA PRODUÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO

1. “Se você soubesse o valor que preto tem, tomaria um banho de piche, e vinha ser preto também.” (Gilberto Gil)
2. Eu sonhei que meus bisnetos viverão em uma nação em que não serão julgados pela cor da pele, mas pelo seu caráter.” (Martin Luther King Jr.)
3. “O outro é aquilo que eu nunca chegarei a ser, é aquilo que não tenho.” (Lacan)
4. “Aquela menina é preta, mas é bonitinha.” (expressão popular)

A partir da coletânea apresentada, produza um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema: “Preto, branco, amarelo ou vermelho, somos todos iguais, embora diferentes.”


EXERCÍCIOS DE DISSERTAÇÃO


1. Observe as palavras nas frases abaixo. Trata-se de casos de “impropriedade vocabular”, ou seja, de palavras cujo significado não é adequado para o uso a que foram destinadas. Sua função é substituí-las por termos mais apropriados. Compare os seus resultados com os de seus colegas.

a) Os quatro rapazes sumidos na serra do Mar foram encontrados ontem.

b) Num laboratório da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, foi achada uma célula capaz de retardar o desenvolvimento do câncer.

c) Muitos banhistas sofreram queimaduras de pele devido à violenta luz do sol.

d) O time foi fazer uma excursão na Europa para que os jogadores ganhem mais vivência.

e) O rapaz foi preso no largo da Concórdia, onde marreteiros fazem a comercialização de todos os tipos de mercadoria.

f) O vestibulando garantiu que irá reunir condições de passar no exame.

g) Os parlamentares apresentaram sua intenção de investigar o caso.

h) Os alunos das escolas estaduais terão aulas aos sábados para botar a programação em dia.

i) O futuro é enigmático.

j) Suas criticas são demasiadas.

k) Depois de negar várias vezes, o deputado repentinamente assumiu sua culpa.

l) Será implantada uma refinaria na Baixada Fluminense.

m) A Sunab irá divulgar a tabela de preços a ser implantada a partir de segunda-feira.

n) A reunião marcada na terça-feira aconteceu com a presença de todos os ministros.


2- Nas frases abaixo, estão destacadas palavras e expressões cujo uso deve ser evitado. Trata-se de “modismo” e “frases feitas”, indicadores de pobreza vocabular de quem escreve. Procure substituí-las por palavras adequadas. Observe que , em alguns casos, pode-se simplesmente eliminar a palavra ou expressão destacadas.

a) A nível de revelação de novos talentos, o São Paulo está a todo vapor.

b) O psicólogo quis colocar uma questão. Para ele, é necessário permitir que os jovens conquistem seu espaço.

c) O assunto vai ser abordado sob um novo enfoque, que fuja à idéia de um caos inevitável.

d) De repente, resolveu assumir.

e) Em última análise, certamente expressões não dizem nada. Até porque muitas delas são dispensáveis.

f) Foi chocante: sabendo administrar o resultado do jogo de ontem, o Brasil carimbou seu passaporte para as semifinais do torneio de consolação.

g) A posição do ministro entrou em rota de colisão com as idéias da liderança sindical.

h) A inflação voltou a atingir patamares insustentáveis.

i) Os traficantes devem ser severamente penalizados pela lei.

j) A nível de prestação para os exames, pode-se sentir firmeza naqueles que, desde o começo do ano, saíram em busca do prejuízo.

k) Os familiares inconsoláveis não deixaram de recompensar os relevantes serviços dos policiais.

l) O leque de opções era limitado: agüentar as solenidades de praxe ou enfrentar o mau tempo reinante.

m) Agarrei-me à certeza de que, àquela hora, o estacionamento estaria literalmente tomado.

n) Depois de um longo e tenebroso inverno,vemos ressurgir a esperança em novos tempos.

o) A indústria de informática está ensaiando seus primeiros passos em direção ao futuro.

p) O brilhante cientista, morto prematuramente, será objeto de perpétuas saudades.

q) Os valorosos soldados do fogo conseguiram, após exaustivos esforços, debelar as chamas.

r) Foi uma agradável surpresa. Terá sido mera coincidência?

s) Foi aberto rigoroso inquérito, que faria as investigações necessárias. Posteriormente, seriam tomadas medidas drásticas.

t) Há um extenso programa a ser cumprido. É necessário, portanto, conjugar esforços.

u) Após acalorada discussão, seguida de intensa pancadaria, o jogador e o juiz foram encaminhados ao hospital com escoriações generalizadas.

v) O doutor Sizenando Peixoto, que dispensa apresentações, discorreu longamente sobre o tema da corrupção, dirimindo as dúvidas que eventualmente surgiram.

w) Um lamentável acidente fez com que perdêssemos o bonde da história. Parece que o destino nos quer tratar com requintes de crueldade.


3- As expressões destacadas constituem formas agressivas e preconceituosas de linguagem. Faça as substituições apropriadas em cada caso.


a) Os ecologistas são uns babacas! Estão de sacanagem, esculhambando com a sabedoria nacional. Estou com o saco cheio dessa avacalhação!

b) Não é à toa que tenho aquilo roxo!

c) É um tipo barrigudo e careca.

d) O rapaz era broxa e foi encaminhado a um especialista.

e) A garota, perneta e zarolha, não encontrava namorado.

f) Não há espaço para os pretos e os velhos naquela sociedade racista e competitiva.

g) O pivete foi preso ontem, juntamente com mais dois marginais. São todos elementos perigosos.

h) O pobretão tentava fazer-se passar por quem não era!

i) O papa-hóstia quer converter a todos.


4. Sublinhe os casos de repetições desnecessárias ( trechos dispensáveis)

a) Cada aluno, individualmente, terá direito a dois convites.

b) Na festa do dia 12, os funcionários possivelmente poderão levar seus familiares.

c) No próximo domingo, 28 de agosto, haverá um churrasco na escola.

d) Há muitos boatos na cidade. Os fatos reais, porém, são outros.

e) Os passageiros desciam do avião sucessivamente, um após o outro, de acordo com as instruções.

f) Os professores receberão este mês um abono adicional extra.

g) Segundo a minha própria opinião pessoal, ninguém deveria candidatar- se a nada sem curso superior.

h) A esfera terrestre é dividida em dois hemisférios, duas metades iguais do planeta.

i) O gabinete do presidente continua a permanecer aberto para todos os funcionários.

j) A miséria do povo é sintoma indicativo de renda mal distribuída.

k) Anexo a esta carta enviamos cópia do documento.

l) Os livros estavam superpostos na estante, uns sobre os outros, de modo a facilitar a consulta.

5. Substitua as palavras ou expressões sublinhadas por um sinônimo de tom negativo.

a) Comprava o necessário na lojinha do morro.
b) Meu marido se separou de mim.
c) O aluno escreveu algumas linhas na folha de redação.
d) Depois da operação, saiu muito branco do hospital.
e) Com o regime, ela ficou magra.
f) Caso venha a ficar mais gordo, o coração vai sofrer.
g) O aluno colou a etiqueta na capa do livro.
h) O cheiro que vinha do poço incomodava a todos.
i) Após a aula, houve grande agitação na sala.


6. Agora troque por sinônimo de tom positivo.

a) Os subversivos pretendiam sequestrar o embaixador.
b) Não terei tempo de ir ao casório.
c) A modelo pintou os beiços com batom vermelho.
d) Durante o culto, os fiéis berravam preces.
e) A escola de samba se arrastou pela avenida.
f) Pretendia lavar a cara nas águas do rio.
g) Lambuzou a peça com óleo de cozinha.

7. Reescreva as fases a seguir, modificado as palavras sublinhadas de acordo com as instruções entre parênteses.

a) A sala está suja. (intensificação negativa)

b) A sua namorada é bonita. (intensificação positiva)

c) O marido amava a mulher. (intensificação positiva)

d) A modelo possuía cabelos dourados ( intensificação positiva)

e) Sentiu nojo da bebida. (atenuação negativa)



AS PALAVRAS NO USO DIÁRIO

Observe que, para esclarecer alguns sentidos da palavra, o dicionário teve de contextualizá-la (“os fatores do progresso”, “o progresso de um incêndio”). Essa necessidade traduz um problema típico: o fato de que as palavras só adquirem seu significado pleno quando em uso, ou seja, quando se relacionam com outras palavras e com o mundo. Às vezes, o significado decorre de fatores sociais mais sutis: pense no uso da palavra progresso no discurso de um deputado ligado a interesses de grandes empresas e na mesma palavra numa publicação de um grupo radical de defesa do meio ambiente. No primeiro caso, ela provavelmente terá algo de divino e profético; no segundo, algo perigoso, que inspira cuidados. Fique, pois, atento a essa ralação entre as palavras, os textos e o mundo.

Exercícios:


1. Concentre-se, separadamente, em cada uma das palavras seguintes, e escrevas outras palavras que, para você, têm alguma relação com elas (dedique um minuto a cada uma).

1. político 6. rio 11. povo
2. amor 7. floresta 12. trabalho
3. paz 8. esgoto
4. mar 9. homem
5. asfalto 10. pátria

Depois de feito os exercícios, compare os seus resultados com os de seus colegas. Houve muitas coincidências?


2. Relacione com cada uma das palavras seguintes, outras que tenham sonoridade semelhante (dedique um minuto a cada uma).

1. carro 6. poesia 11. rádio
2. sussurro 7. construção 12. jornal
3. assim 8. casa
4. glutão 9. vida
5. senso 10. dente


3. Relacione com cada uma das palavras abaixo outras que a elas se liguem pelo significado.

1. índio 6. prazer
2. eleição 7. liberdade
3. economia 8. mudança
4. jovem 9. descoberta
5. ecologia 10. profissão

4. Escreva palavras que lhe transmitam sensação de:

1. frio 11. atrito
2. calor 12. limpeza
3. claridade 13. deslizamento
4. escuridão 14. pegajosidade
5. transparência 15. nojo
6. liberdade 16. vitalidade
7. tristeza 17. incômodo
8. desespero 18. desânimo

9. conforto 19. cansaço
10. alegria 20. satisfação


5. Que palavras você utiliza para completar as comparações a seguir?

a) Tão sossegado quanto... f) Tão desonesto quanto..
b) Tão triste quanto... g) Tão indispensável quanto...
c) Tão aliviado quanto... h) Tão saboroso quanto...
d) Tão deslumbrado quanto... i) Tão imóvel quanto...
e) Tão desagradável quanto... j) Tão ágil quanto...

7. Muitos animais são usados no vocabulário diário a fim de representar nossas qualidades e defeitos. Que realidades humanas cada um dos animais a seguir representam?

Pavão – Boi - Formiga –
Touro - Abelha - Raposa –
Asno - Vaca - Cão –
Lesma - Leão - Camaleão –
Baleia - Lebre - Cordeiro/ovelha –
Cabra –


CARTA DE RECLAMAÇÃO

1. Você comprou, pela internet, um cartão de memória de 2gb. A empresa enviou um de 1gb, que não funciona.

2. Sua conta telefônica veio com o dobro do valor devido. Você vai enviar um e-mail para a empresa pedindo providências.

3. A empresa que fornece energia para a sua residência não enviou sua conta e está cobrando, por telefone, ameaçando interromper o fornecimento.

4. Você teve um problema de saúde, foi ao médico, e precisa fazer uma tomografia. Seu plano de saúde não autorizou o exame, embora você esteja em dia.

5. Faça uma reclamação à diretora da escola quando ao funcionamento da mesma.




AMBIGUIDADE

Duplo sentido causado por mau uso do pronome relativo.

8. Indique as ambigüidades das frases a seguir:

a) João e Maria vão casar-se.

b) Ele e ela vieram de carro.

c) João e Pedro são amigos.

d) O juiz declarou ter julgado do réu errado.
62
e) O piloto enjoado levantou vôo.

f) Comprou o carro rápido.

g) Deixou a sala vazia.

h) Confessou os erros que cometeu com franqueza.

i) Tenho um trabalho para entregar ao professor, que me deixa preocupado.

j) Há um ano comprei uma casa com um vistoso portão, que venderei agora.

k) Trata-se de um estudo sobre Machado de Assis, cuja leitura recomendo.

l) Falo de Pedro, filho de nosso vizinho, que você conhece bem.

m) Comi um churrasco num restaurante que era gostoso.

n) Maria falou com a moça que trabalha ali.

o) O pai proibiu o filho de sair em sua motocicleta.

p) Gostei da foto daquele rapaz.

q) Foi observado o acidente da ponte.







63
CONCLUSÃO

Fazer um texto é “viajar na maionese”, ir para bem longe ou para bem perto sem sair do lugar. Bem longe para outras cidades, outros países, lugares que nem conhecemos. Bem perto para dentro de nós mesmos.
Quando escrevemos nos tornamos senhores do destino de vários personagens, decidimos quem deve viver, quem deve morrer, descrevemos pessoas que nós mesmos criamos, definimos seus comportamentos, porque a escritura, o texto nos leva a outra realidade, partindo, geralmente, da nossa.
A poesia quer em forma de verso, quer em forma de prosa nos faz pessoas melhores, nos transforma. Por mais dura que seja a realidade, o escritor, o poeta não perde a ternura jamais, como diria o companheiro Che Guevara. A propósito, o escritor, o poeta é um guerrilheiro das palavras, um revolucionário das idéias, um profeta do bem a serviço da poesia, um ser humano, acima de tudo.
E a leitura? Ler é um passaporte para a fantasia, para o possível e para o impossível, para o imaginário. As belezas e as verdades de um texto são ilimitadas.
Com todo respeito a gramática, deveria constituir um ato criminoso a utilização de um texto só para se fazer análise morfológica ou sintática, pois agindo assim tira-se do texto o que ele tem de mais fantástico, seus significados , seus encantos, suas múltiplas possibilidades e tudo isso em detrimento da nomenclatura.


Prof. Isac Machado de Moura
64

VAMOS REFLETIR UM POUCO SOBRE A ARTE DE ESCREVER E SOBRE O PRAZER DA LEITURA

“Nenhuma semente acorda árvore no dia seguinte. A boa notícia é que hoje é apenas o primeiro dia do resto de nossas vidas. Hoje pode ser o dia em que uma criança descobre o gosto pela leitura, e isso afetará positivamente o amanhã de todos.” (Instituto Ecofuturo)

“Acredito, sim, em inspiração, não como uma coisa que vem de fora, que “baixa” no escritor, mas simplesmente como o resultado de uma peculiar introspecção que permite ao escritor acessar histórias que já se encontram em embrião no seu próprio inconsciente e que costumam aparecer sob outras formas – o sonho, por exemplo. Mas só inspiração não é suficiente.” (Moacyr Scliar)


“Um escritor que passasse a respeitar a intimidade gramatical das suas palavras seria tão ineficiente quanto um gigolô que se apaixonasse pelo seu plantel. Acabaria tratando-as com a deferência de um namorado ou com a tediosa formalidade de um marido. A palavra seria sua patroa! Com que cuidados, com que temores e obséquios ele consentiria em sair com elas em público, alvo da impiedosa atenção de lexicógrafos, etimologistas e colegas! Acabaria impotente, incapaz de uma conjunção. A gramática precisa apanhar todos os dias para saber quem é que manda.” (Luís Fernando Veríssimo)

OBS.: Não que a gramática não seja importante – longe disso! Só que ela não deve funcionar como uma gaiola ou prisão. A língua é viva, e coisa viva respira e muda.

“Escola é o lugar onde se fazem amigos, não se trata só de prédios, salas, quadros, programas, horários, conceitos... Escola é, sobretudo, gente, gente que trabalha, que se alegra, se conhece, se estima. O diretor é gente, o coordenador é gente, o professor é gente, o aluno é gente, cada funcionário é gente. E a escola será cada vez melhor na medida em que cada um se comporte como colega, amigo, irmão. Nada de ‘ilha cercada de gente por todos os lados’”. (Paulo Freire)

3 comentários:

  1. Olá Isac! Gostei muito do seu blog. Criei muitas atividades de produção de texto, inspirada dos seus textos.Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. As atividades são legais e interessantes. Parabéns! Irei utilizar algumas. Obrigada!

    ResponderExcluir
  3. Copiando algumas atividades daqui. Obrigada, Isac.

    ResponderExcluir